A Cantina do Templo Hindu

📌 Localização: Alameda Mahatma Gandhi, Complexo Comunidade Hindu, Paço do Lumiar, Telheiras, Lisboa.
Indian Food Indian Food
    Recordo-me do dia em que fui assistir a uma cirurgia cardíaca pela primeira vez. Ainda enquanto estagiária. Uma das enfermeiras era indiana e por entre cirurgias, nas andanças de preparação de sala para uma nova entrada, falava-se de comida, que é na verdade um dos assuntos mais frequentes. A hora já ia avançada e ninguém tinha jantado. Inevitavelmente tocámos no assunto da comida vegetariana e a enfermeira sugeriu que eu experimentasse comida indiana, sendo que o melhor local para o fazer seria no templo hindu português ali em Telheiras. Esta ideia ficou a marinar durante vários meses até que recentemente cedi e fui, entre amigos, ao templo. Sabia bem ao que ia, mas ainda assim fiquei surpreendida com a dinâmica do local. Confesso que gostaria de ter tido a oportunidade de ir ao templo, que por ser de noite, se encontrava fechado. Ficámo-nos pela cantina no piso térreo que era efectivamente o alvo da nossa visita.
Em relação à comida, o menu é único e varia todos os dias consoante a sugestão do chef. Fomos presenteados com uma anfitreã que nos traduziu e elucidou sobre cada uma das opções, molhos e variantes de pão. Foi uma preciosa ajuda para quem nunca tinha provado nada semelhante. Tentei manter-me aberta à novidade e provei um pouco de tudo sem hesitar. (...) Tanto assim o foi que tive que recorrer ao leite enquanto antídoto após provar um dos molhos mais picantes, cujo sabor não sei bem descrever. De resto, saboreei com gosto e sem grande alarido. Eram sabores de terra, e por isso em parte familiares. Estranhei apenas algumas conjugações, embora acredite que não tenha sido o melhor menu de sempre, daí querer voltar uma segunda vez (de dia, preferencialmente) e ter um termo de comparação. É aqui importante ter em consideração que se trata de uma cantina e não de um restaurante!, o que lhe dá um toque a casa, não deixando de ser um local a considerar para jantares com amigos caso procurem algo diferente e... barato!

Localização: 4/5 - O templo Hindu encontra-se bem centralizado, ainda que longe da confusão em Telheiras!.
Já a sua entrada não é tão evidente quanto aparenta numa primeira instância perante a grandeza da fachada. A cantina, em si, tem um acesso pela lateral direita do templo, o que requer alguma atenção acrescida. Depois é só seguir as indicações e... comer!
Atendimento: 5/5 - Um atendimento simples e prestável. Muito atento a quem se infiltra numa cultura completamente nova.
Gastronomia: 3/5 - Peca pela falta de diversidade, contudo a comida tem claramente uma preparação caseira e que se faz notar até pela sua apresentação. No entanto, não gostei tanto assim da sobremesa nem do lassi - a bebida branca que põem ao nosso dispor. No fundo, esperava algo mais tradicional e condimentado. Quem sabe numa segunda vez a experiência seja diferente!?
Preço: 5/5 - Por dez euros ao jantar ou oito ao almoço ficamos satisfeitos. Inclui entrada, sopa, prato principal e sobremesa, sendo que podemos repetir as vezes que assim quisermos, terminando com um café. Mais que aceitável.
Decoração: 3/5 - A cantina é espaçosa e singelamente decorada em tons de verde e branco com o Tah Mahal pintado no fundo. Esperava tons mais quentes e avermelhados em destaque. A sala é, de facto, fria, o que se acentua perante os tabuleiros metálicos com as taças que nos são servidas. Mas sendo uma cantina é a comida que nos aquece e os tabuleiros fazem parte da experiência!. Pouco depois não faz sentido de outra forma quando nos vemos rodeados de famílias indianas a dominar a sua pega com as mãos!. Mas nós cá optámos pelos talheres, pois a bagunça seria uma certeza caso contrário!

Indian Food Indian Food
De forma geral, foi uma experiência agridoce. Esperava algo mais acolhedor e sabores mais intensos. Contudo, o preço e a localização são convidativos e dão azo a uma segunda ronda. Em breve, assim espero!

1 comentário:

  1. Olá! Já conheces o meu livro "Tudo o que Sempre Quis" lançado em Maio de 2018?
    Deixo aqui a sinopse:
    «Ninguém é forte o suficiente ao ponto que não precise de outro alguém.»

    Estou a trabalhar numa campanha para ajudar o João, um jovem de Almeirim, Santarém que precisa de ajuda com tratamentos médicos (mais informações: https://the-choice-26.blogspot.com/2018/12/vamos-ajudar-o-joao.html) e gostava de informar que por cada livro vendido 40% irá reverter para o João.
    Caso estejas interessada em adquirir um exemplar autografado contacta-me no blog ou em aritacorreia.writer@gmail.com.
    Obrigada!

    ResponderEliminar