Restaurante Atari Baby

📌 Localização: Rua de S. Paulo 120 1200-429 Lisboa, Cais do Sodré.
Esta é uma das publicações que há muito queria escrever por aqui, visto que tudo quanto são dicas de restauração são bem-vindas. É um contéudo que tenho vindo a procurar cada vez mais noutros blogues e que, por sua vez, é bastante procurado por aqui também. Assim, esta rubrica veio para ficar. É certo que me dá um trabalho descomunal descrever toda uma experiência gastronómica com tanto rigor, consoante os critérios que já são habituais (podes consultar outras sugestões na categoria Comida na barra superior), mas é com agrado que o faço. Tem sido, inclusive, uma mais-valia ter esta perspetiva de se avaliar cada lugar que vou, o que me obriga a estar mais atenta a detalhes que antes me eram antes completamente alheios.
Como tal, desta vez, a escolha do restaurante foi completamente aleatória. Não constava na famosa lista, a qual se mantem extensa com opções vegetarianas!. Encontrava-me, portanto, com um grupo de amigos a festejar um aniversário pelo Cais do Sodré na esperança de ir a um outro restaurante. A ideia era regressar aqui - o restaurante mexicano mais badalado do momento. Queriamos lá voltar com um ambiente noturno. Contudo, não sendo possível pela lotação esgotadissíma, acábamos por escolher um outro por perto, de nome Atari Baby, sem qualquer tipo de recomendação prévia. Entrámos completamente às cegas, desconfiados com a aparente falta de clientes. É, acreditem! ou não, mais uma opção de comida japonesa!. Ter descoberto este tipo de culinária foi uma surpresa maravilhosa durante os últimos anos e isso só se poderia refletir no blogue. (...) No entanto, o Atari Baby, cujo dono é um grego, ligado também ele à criação do restaurante Las Ficheras, carateriza-se por ser um restaurante de comida japonesa com a particularidade de ser oriunda de Tokio.
Localização: 5/5 - Mais uma vez, o facto de estar centralizado na grande cidade é um factor a ter em conta. O cais do Sodré é um dois em um. Janta-se e segue-se para uma caminhada breve até ao próximo destino - um bar. As escolhas são inúmeras, mas nós optámos pelo eterno Hard Rock Café. E sim, subimos tudo a pé até lá. Porque não? A digestão facilitada agradeceu.
Atendimento: 4/5 - Destaco a simpatia extrema dos funcionários, que tiveram o cuidado de nos apresentar e descrever cada novidade, e de inclusive nos dar a oportunidade de experimentar o novo menu. Simpatia extrema (!), sem exageros que depressa caiem na "chatice". O único senão foi o tempo avantajado de espera no que às sobremesas diz respeito. Foi necessário recordar mais do que uma vez qual o pedido efectuado, o que se explica pela crescente entrada de novos clientes, ficando o restaurante cheio em pouco menos de 15 minutos após a nossa chegada. As aparências realmente enganam!
Gastronomia: 5/5 - Isto é o que realmente interessa, certo?! E pois bem, posso afirmar que a experiência de sabores foi explosiva. Alguns deles já me eram familiares e outros nem tanto (!). O requinte estava presente em cada detalhe na apresentação, bem como na qualidade perante a fusão de cada novo sabor. Optei por uma escolha segura, confesso!, mas fiquei com vontade de regressar e aventurar-me mais, o que somente se deu no fim da refeição com as sobremesas. Começámos por pedir gyosas de pato e de legumes para mim, seguindo-se um Ramen de Legumes (uma das fotografias foi a opção do meu melhor amigo com carne; igualmente saboroso segundo ele). Já o meu namorado preferiu pedir uma pratada com carne de porco e arroz, o que em termos não perceptíveis para o comum português se traduz em Katsu-jyu. Escusado será dizer que irão necessitar de um tradutor para proceder à melhor escolha..! Fiquei curiosa em experimentar outros pratos como o Poké Mon e o Polé Don, de atum e salmão respectivamente. A seu tempo, diria eu! (...) Quanto às sobremesas, estas não me conquistaram, mas não sei se será como o sushi: primeiro estranha-se e depois entranha-se!
IMG-20180603-WA0006 IMG-20180603-WA0004 IMG-20180603-WA0009
Como referi a minha opção habitual são sempre pratos vegetarianos ou com peixe. Talvez gostassem que falasse um pouco mais sobre a minha dieta alimentar, tendo em conta que em Portugal poucos conhecem o termo Piscatorianismo (?). Assim, o meu Ramen continha apenas legumes, o que em nada empobreze a riqueza do mesmo! Este, em particular, é o terceiro que tenho a oportunidade de provar.
O primeiro foi no Nood (aqui). Gostei pela novidade! Depois fui ao Kokoro Ramen Bar, cuja especialidade é Ramen e fiquei rendida pela frescura dos noodles! E agora com esta terceira opção, como termo de comparação, digo-vos: É dos melhores Ramen's que eu já provei!
O segredo está no caldo, o qual deve ficar a apurar por longas horas. Faz realmente a diferença!
Preço: 4/5 - Em média o preço por pessoa ronda os 20€, podendo este facilmente ser ultrapassado se pedirem sobremesas ou mais do que uma bebida. O sushi também é razoavelmente mais caro.
Decoração: 4.5/5 - Há que realçar este ponto, visto que a decoração é, como referi, mais citadina a pensar nas luzes da cidade de Tóquio.
Inclusivamente, as mesas encontram-se rebaixadas para que se simule a sensação de comer sentado no chão, bem como a luz é reduzida, criando-se um ambiente acolhedor propício à conversa.
IMG-20180603-WA0000 IMG-20180603-WA0011
Na sua generalidade, este achado foi uma boa surpresa! (...) Nos tempos de hoje acabamos por cair no que é tendência (o que inclui também onde ir e comer!). Fundamentamo-nos em pesquisas online, como é o caso de aplicaçãoes como a Zomato, e as nossas escolhas são moldadas pelos gostos e opiniões de terceiros. É bom ir sem saber bem ao certo o que esperar! Pretendemos voltar, quiçá!, mas confesso-vos que a lista vai demasiado extensa para voltar a repetir o mesmo restaurante. Talvez quando a saudade de um bom Ramen apertar, eu regresse! Até à data é o sítio a ir!

2 comentários: