La Casa de Papel

Esta série tem andando na berra! Todos falavam nela ao ponto de eu não resistir a dar uma espreitadela durante as férias de Páscoa!
O conceito da série não é habitualmente um dos meus Go to, uma vez que prefiro biografias ou assistir filmes, onde o fim está iminente após uma sessão. Sou naturalmente impaciente no que toca a estas artes cinematográficas, pois eu gosto de saber como tudo termina o quanto antes. Assim, assistir a uma série é saber garantidamente que eu irei insistir até ver o último episódio, pelo que é certo que irei devorar alguns deles de seguida. E foi o que aconteceu com La Casa de Papel. Várias pessoas em meu redor, bem como nas redes sociais, sussurravam sobre o quão fantástica ela era. "Tens que ver, Joana!" - diziam, e lá me embrenhei no enredo.
Este em si retrata um grupo de oito assaltantes que se organiza ao comando do Professor - assim conhecido dentro do seu anonimato, tal como as outras personagens que optam por nomes de cidades para se identificarem (a exemplo, Moscovo, Tóquio, Berlim, etc.) - para assaltarem a Casa da moeda Espanhola, mantendo os seus funcionários e todos os seus visitantes como reféns enquanto produzem a sua fortuna directamente da fábrica através da impressão de dinheiro ao invés de o roubarem. O plano é arquitectado de tal forma que cada pormenor é tido em conta, até mesmo os potenciais erros e contratempos são antecipados, o que acredito ser o real motivo pelo qual se prende o espectador. É de facto um argumento intenso e extremamente absorvente.
As personagens são carismáticas, cada qual com a sua personalidade e motivações que os ligam numa espécie de irmandade, sem que o percebam numa fase inicial. Todos pretendem mudar de vida e para fazê-lo unem-se, adquirindo laços afectivos entre si - o que acaba por quebrar a primeira regra do plano. Ora entre assaltantes, ora entre os reféns. Também o Professor, o cérebro do assalto, se apaixona pela inspectora encarregue de resolver o caso. Em parte, esta dinâmica entre o Professor e a Inspectora tem um tanto ou quanto de (...) novela mexicana, mas em limites toleráveis. O foco é ainda assim a resolução do assalto. Acabamos por nos envolver e torcer para que consigam realmente alcançar o seu objetivo. Parece impossível saírem de uma enclausura, cercados por polícia, e ricos, mas... terão que ver a série para o saberem. Será que o conseguem? A que custo?
Irão, tal como eu, reflectir sobre a noção de felicidade e sobre a ambição de grandes associações. O que nos move? Quem são os maus e os bons, afinal? Se, tal como eu, já viram todos os episódios acredito que tais questões se vos tenham também levantado.
Tristemente reforcei a certeza de que a nossa cultura moderna tem como principal valor o dinheiro. O reconhecimento, o sucesso e o dinheiro parece que não se dissociam. E porque assim será? Fica a questão.

8 comentários:

  1. A série está mesmo bem construída e com um ritmo tão intenso que é impossível ficarmos indiferentes. E, depois, à medida que avançamos e começamos a compreender que as motivações não se limitam apenas ao dinheiro ainda nos envolvemos mais :)
    Fascinou-me completamente o facto de estar tudo pensado ao detalhe, mas sem perder o lado real. O Professor tem uma inteligência acima da média, mas não é intocável. Assim como nenhuma das personagens, por mais astutos que sejam.
    Recomendo esta série a toda a gente!

    r: Confesso que não tinha pensado nisso. Não estava era à espera que ela "cedesse" e acabasse por ajudá-lo

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Será que ajudou? Ela manteve-se neutra, assim creio eu.

      *

      Eliminar
  2. (Que Spoilers estamos aqui a fazer, Andreia!) AHAH!

    ResponderEliminar
  3. Ainda bem que fizeste outro comentário a dizer spoilers, que eu já ia ler o comentário da Andreia xD.
    Tenho mesmo que ver essa série, anda toda a gente a falar dela, e eu tenho mesmo que perceber o porquê de falarem tanto dela. Fiquei ainda mais convencida depois deste post.
    Beijinhos
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vale a pena, sim. Mas aconselho-te a ir sem grandes espectativas e dares-te tempo para ver cada episódio. Não cometas o erro de ver tudo de uma só vez como eu. Parece que entramos no drama!

      Um beijinho, Cherry. Volta sempre!


      Eliminar
  4. Apesar de toda a gente falar dessa série ainda não o vi. Talvez quando acabar de pôr as séries em dia tenha coragem para espreitá-la!

    ResponderEliminar
  5. Sem dúvida que umas das maiores questões que esta série levanta é se em situações deste género a população ficaria do lado dons bons ou dos "maus"!

    ResponderEliminar