O diário da minha mudança alimentar (Emagrecimento)

Talvez por aqui ainda não se tenham apercebido, visto que pouco mencionei aspectos relacionados com a minha alimentação - o que em muito tem a ver com o processo de mudança e de aquisição de novos hábitos na minha rotina alimentar. Será importante referir o facto de que actualmente vivo somente com a minha irmã, pelo que cada uma de nós tem a liberdade para cozinhar o que pretende sem nos cingirmos às escolhas dos restantes elementos da família - tipicamente tradicional, com muitos enchidos, ranchos à moda do norte e por aí adiante. Assim, foi-me mais fácil assumir um novo padrão alimentar porque sou eu quem cozinha para mim. Até aqui tudo bem. Eu gosto de cozinhar e tenho vindo a descobrir novas receitas. Sou criativa em tudo o que faço, diguemos. Nem sempre corre bem, mas acho que estou cada vez melhor no que às lides culinárias diz respeito. Tanto assim o é que tenho apreendido bastante sobre nutrição de forma autónoma, pois para além de ser muito curiosa sou interessada em perceber o meu corpo. Tive, ao longo do tempo, que aprender a seleccionar a informação e a detectar a veracidade da sua fonte. Ainda tenho muito para aprender e considero que há, de facto, muito que ler sobre o assunto. O ponto positivo desta nova "moda" é a de suscitar em cada um de nós a preocupação pelo que comemos, porque efectivamente influencia a forma como o nosso corpo se apresenta e como nos sentimos... Estou, portanto, muito mais apta a ouvir o meu corpo, o que me tem ajudado a balançar os sinais de stress com a correria dos estágios, em que tanto os horários das refeições como os de sono ficam trocados, se não houver um cuidado redobrado. Acreditem no que vos digo...
Resultado de imagem para emagrecer
A mudança foi dando-se aos poucos, e finalmente me sinto segura para vos dizer que criei uma nova relação com a comida que me irá acompanhar para o resto da vida. Mas foi todo um processo... 
😔ANTES: Os meus hábitos alimentares eram assustadores, agora que penso neles com uma certa distância. Raramente preparava o pequeno-almoço (quando o fazia optava por quantidades excessivas de leite de vaca com cereais açucarados...), ficava horas em jejum e quando chegava a casa devorava pacotes de bolachas. Eu era uma papa-bolachas! Oh, se era! Ingeria hidratos de carbono a cada refeição e a minha proteína provinha somente das carnes brancas. Bebia poucos líquidos por dia e, apesar de não ingerir grandes quantidades de comida, o meu peso estava a aumentar. Cheguei aos 65 kg com apenas 1,54 m de altura...

😏 DURANTE: Com o início dos estágios e os turnos denominados de roma, deparei-me com uma fadiga constante e falta de energia. Percebi que o meu corpo estava a dar-me sinais de carência. "Olha para mim!", dizia. O inchaço era o que mais me incomodava, pelo que a primeira grande mudança alimentar foi deixar de ingerir leite de vaca. Notei diferenças brutais em poucas semanas. Depressa percebi que não tinha necessariamente que substituir o leite por outras variantes, e deixei à conta disso alguns vícios como os cereais e bolachas. Passei a investir em novas receitas, simples como os grelhados. Com o tempo, passei a gostar de ir ao supermercado e a demorar-me por lá. Passei também a ler os rótulos com mais atenção e conhecimento! E só depois de muito pesquisar retirei a carne da minha dieta. Na verdade, nunca gostei muito do seu sabor. Quando comia era somente um nico, e o restante prato enchia-se de hidratos. Portanto, foi-me muito fácil deixar de comer carne. Já o peixe ganhou um novo sabor, o que em muito veio valorizar a minha costela setubalense.
Mais do que privações introduzi novos alimentos como a soja, variedades de legumes que nunca antes imaginei possíveis, a batata-doce, a manteiga de amendoim e... muuuuuuuitas especiarias!
Em Março ingressei no ginásio para complementar esta nova etapa da minha vida, o que me deu ainda mais ânimo. Foi uma excelente ajuda na perda de peso que veio no momento certo. Embora reforce que os números não são importantes, existe uma fase em que serve de orientação. Um indicador do progresso! Indico a aplicação quicklog.me para registarem alguns desses valores, mas não se esqueçam que há mudanças que advêm com esta nova forma de estar bem mais importantes, eis como sair de casa, estar com amigos, comer bem, e não ter a necessidade de esconder a barriga com roupa que nos ofusca como escudo de protecção dos olhos de terceiros...
É, no entanto, de notar que este processo foi gradual. Levou-me mais de um ano, sendo que o ginásio corresponde à fase em que o peso decresceu mais. Futuramente pretendo emagrecer um pouco mais, mas sempre equilibrando com o ganho de massa muscular.

😃AGORA: Ganhei a rotina de cozinhar todos os dias e a marmita é a minha melhor amiga, sem exagerar nos acessórios. Temos que ser práticos! Tenho algumas receitas para partilhar aqui, se assim o desejarem, e sinto que o meu corpo ingere melhor os alimentos. Não sei sequer sair de casa sem a minha fusão de chás ou água. Preocupei-me também em fazer uma bateria de exames depois de 5 anos sem o fazer!, e estou sem défice algum de nutrientes! Melhor que nunca! Recomendo-me! Ahah!
Tenho uma gaveta inteira destinada a roupa desportiva e estou prestes a alcançar o meu peso dito ideal, sem grandes preocupações. Sem uma "dieta" restritiva, porque a perda de peso nunca foi o propósito e sim uma mudança efectiva a longo-prazo. Olho ao espelho e gosto do meu corpo, como nunca gostei na minha vida. A minha mente está agora focada nas coisas que interessam e fazer exercício físico é um encontro comigo. Uma superação! Aprendi a deixar de lado os "ses" e o receio de me expor...
Resultado de imagem para emagrecer
Hoje acordei e percebi o quanto eu mudei. Tirei uma fotografia sem qualquer maquilhagem no rosto, despenteada, e com a roupa de ginásio (um simples sotian de desporto e umas calças bem justas) que me acentuam as curvas. E decidi partilhá-la no instastories. Algo inédito! Consigo finalmente ver essa mudança reflectida por fora. Oh, e como é bom...! Leva o seu tempo até que nos mentalizemos de que valemos a pena e que não custa assim tanto quanto se julgaria. Depois é só deixar que a autoconfiança flua... 
Por isso, a mensagem que gostaria de transmitir é a de que mudar hábitos tem que vir de vocês, de dentro, pelos motivos certos, e não de uma moda, patrocinada por marcas ou contas de Instagram. Descubram aquilo que vos faz bem. Cada corpo é diferente. Não se cataloguem enquanto vegetarianos, palos, isto ou aquilo. Sejam vocês. Descubram-se! Façam o que vos faz realmente felizes. Saiam mais de casa... procurem o sol, encontrem os vossos lugares e pessoas! Façam! 💖

3 comentários:

  1. Realmente, quando moramos sozinhos, podemos cozinhar o que quisermos, pelo que é muito mais fácil comer de forma saudável. Por acaso, em minha casa não tenho esse problema, mas na casa dos meus tios tenho, porque eles estão sempre a fazer fritos, pelo que, muitas vezes, tenho que lhes pedir para me fazer um bifinho de peru grelhado à parte.
    Concordo com todas as mudanças que fizeste, estás de parabéns, é preciso muita força de vontade para mudar por completo a nossa rotina alimentar :). Só não concordo cm uma coisa: retirar a carne da tua dieta. A carne tem nutrientes que nem o peixe tem, pelo que não é aconselhável deixares de consumir.
    Beijinhos,
    Cherry
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há formas de substituir a carne... ;)
      Não foi de ânimo leve que o fiz.

      Eliminar
    2. Bem como, nem todos nós digerimos os alimentos da mesma forma...

      Eliminar